Destino de sonho de dois loucos. Por vários motivos nunca conseguiram ir. Desta vez, não olharam para trás e foram mesmo.
Muitas coisas os agarravam a ficar pelo continente. Ainda assim eles precisavam fugir. Iam com muitas expetativas e ao mesmo tempo com receios.
Ao aterrar já viam um pouco da ilha. Era muito verde e com casitas (poucas) pequenas. Aterramos e o aeroporto era simpático.
Fomos logo em direção ao hostel que íamos ficar. O António ( um dos donos) tinha ligado umas horas antes para confirmar a que horas chegaríamos ou se precisaríamos de alguma ajuda. Não foi fácil dar, porque apesar de ser uma das ruas principais perto do centro, a porta passou-nos um pouco despercebidos.
Ficava perto da marina (daí o nome Marina Lounge) de Ponta Delgada e nas redondezas podíamos ver algumas amostras de street art proveniente do Walk&Talk. Antes de irmos embora, fomos dar uma volta pela marginal. É uma das partes mais modernas da cidade com vários restaurantes e bares mesmo coladas ao oceano. Não paramos lá, pois era dia de chuva e vento, mas parecia um bom local para poder estar com amigos. Voltando à nossa estadia, tínhamos mesmo que falar do hostel. Foi o nosso primeiro impacto e sem dúvida que fomos muito bem-recebidos. Estávamos numa ilha, longe de casa e só tínhamos as dormidas feitas. Tudo o resto estava por nossa conta, ou seja, vínhamos um pouco à aventura. Se estávamos receosos de onde ir, como fazer e quando fazer, facilmente desapareceu. O António foi o nosso anfitrião e recebeu-nos em “sua casa” e melhor que isso, deu-nos a conhecer um pouco da ilha.

Mais do que um hostel…uns amigos…

Acredite-se ou não, não há dinheiro que pague este “bem-vindos!”. Tivemos apenas 2 noites mas partilhamos muitas conversas e histórias. Conhecemos também pessoas de outros lados. Como já tínhamos visto antes, os locais dizem-nos muito, mas são mesmo as pessoas que nos conseguem viver os momentos e que estes fiquem na memória. Bem digamos que isto e não só. Os pequenos almoços partilhados na sala são daqueles momentos que não vamos querer perder. Todos os dias, uma coisa diferente, original, mas sobretudo caseira e deliciosa. Descobrimos que gostávamos de certas e diga-se, há tanta coisa boa em S.Miguel e principalmente no hostel. O António e o Lino tentaram conhecer-nos e dar-nos os melhores conselhos sobre o que visitar, mas sobretudo quando visitar. O tempo muda constantemente na ilha e o ideal é ver as cameras antes de sair e aí adaptar o destino. Foi o que fizemos. Fomos às Lagoas com o tempo aberto. Conseguimos ver o hotel e as lagoas. No dia seguinte, já conseguimos dar a volta à ilha e ao terminar o dia, já de noite fomos para os banhos quentes das furnas. O dia foi sempre tão preenchido e conseguimos tirar o máximo partido dele. Foi curto o tempo no Marina, mas sabíamos que íamos e voltar. Não foi um adeus… Foi um até já.

WEBSITE: Marina Lounge Hostel