Nas nossas viagens já mencionamos o nosso Caminho de Santiago. Não ficou completo (ainda) mas passamos por alguns locais bem bonitos e interessantes como foi o caso do Albergue do Sardão em Carreço e desta vez o Ideas pelegrinas. Fica em Tui mesmo no centro histórico perto dos albergues e todos os cantos peregrinos desta cidade galega. É muitas vezes falada na relação transibérica aqui presente. Do outro lado do rio Minho é Portugal (Valença). Esta é uma cidade que respira história e bem receber a quem a visita e ainda mais a preocupação de acolher quem faz “o caminho”. A nossa história foi semelhante à da maioria dos peregrinos de Santiago.

Procurávamos um local para parar ali no centro e eis que nos chama a atenção o logotipo da Ideias peregrinas. Tal como a nós, a curiosidade chama a atenção de qualquer peregrino, convidando a entrar.É muito mais que um simples café, ou uma simples loja com acessórios outdoor. É sim um local de bem acolher aos peregrinos, proporcionando-lhes bem-estar ajuda para qualquer tipo de situação. Tem TUDO para quem passas longas horas no caminho. Barras de cereais, peças de fruta, snacks para levar ou refeições ligeiras para quem quer seguir viagem até ao próximo albergue. Não ficando só por aqui tem aquelas ajudas tão úteis de quem está dias a caminhar ou pedalar e não conhece os locais por está a passar. Por vezes saber o sitio onde comprar uma simples camara de ar não é fácil. Um saco-cama, impermeável, protetor solar, crema para os pés, meias para caminhada ou uma roupa mais técnica tem tudo. Por vezes chegamos tarde à localidade e já podes estar tudo fechado, ou simplesmente ser tão pequeno que não vamos encontrar aquilo tão especifico que procuramos. Juntem isto tudo e tentar procurar isto numa pequena localidade em que não dominamos a língua e pior as pessoas desse local falam apenas a sua língua natal. Em apenas uns minutos, ouvimos, castelhano, português, italiano, francês e alemão. No ideasperegrinas tem tudo num só lugar. Nem que seja um local de aconselhamento onde ir, o que fazer, como fazer. Tudo isto é verdade, mas foi o espaço tão bonito e tão acolhedor que nos chamos à atenção. Ar clean e design por todo o lado, sempre em tons de branco, amarelo e azul. A estética, levou-nos a entrar e pedir algum dos petiscos e sidras artesanais.

Encontramos coisas que por norma não vemos num café convencional e que seguramente não encontramos pelo caminho. Uma parte considerável dos peregrinos procura já uma alimentação alternativa. Sem glúten, vegetariana, pobre em hidratos ou simplesmente mais saudável. Apesar não termos grandes restrições ficamos curiosos e adoramos. Não vamos desvendar muito mais deste tesouro aqui escondido pois está a cargo de cada um faze-lo. Apercebemo-nos que a Mónica (Mó) tem sempre um sorriso no rosto ao ver os seus peregrinos entrarem, e mais do que isso faz sempre questão de saber um pouco da sua história, e ficar no álbum de memórias das ideias peregrinas. Foi aí que vimos que o mundo é demasiado pequeno. Tantos amigos em comum e uma das pessoas que admirávamos, descobrimos que era o seu companheiro (Guti). As pessoas apaixonadas pelo que fazem, chamam à atenção. É o caso deste casal que adora o que faz, seja relacionado com a cidade, região, bicicleta ou atividade na Natureza. São um casal que inspira a arriscar e a fazer bem. Se passarem perto visitem e considerem em ficar, soubemos que já têm um hostel também a funcionar.