Então fugir e estamos na nossa cidade? Não é segredo. Nós adoramos viajar, mas também adoramos matar saudades onde fomos felizes. Gostamos muito da Ásia e uma das formas de o fazer, é pela comida. Foi o que nos levou até ao Kyoto na baixa. Antes de descrever um pouco do que provamos por lá, começamos por dizer que aquela máxima, “a comida é parecida com que provamos lá, mas o sabor é diferente e adaptado ao europeu”, aqui não se aplica. Pois o sabor e cheiro, realmente fez-nos lembrar que lá estávamos, tal a semelhança. Mais do que esse detalhe é se a cozinha é realmente boa. – Claro! Senão nem falávamos. Estamos em pleno centro do Porto, numa das paralelas às galerias Paris. Ao espreitar, o ambiente estava à média luz e pareceu-nos um sítio bem recatado, para quem realmente gosta de jantar nas calmas. Não conseguimos imaginar ninguém com pressa e comer aqui. Chegamos cedo e escolhemos a mesa. O atendimento é do mais simpático e profissional que já encontramos no Porto. Ao ver a carta, confessamos que hesitamos no que escolher, pois não gostamos só de Sushi. Então pedimos sugestão e fomos com tudo. Com a experiência, vamos apreciando outros pratos e foi isso que nos agradou. A cozinha de fusão. É perceber qual a essência dos pratos e fundir com outras cozinhas ou ingredientes que fazem com que a experiência mais rica. Passando ao que adoramos. A delicadeza do tártaro com algas ainda nos está na memória e é daqueles pratos que podemos eleger como uma referência. A delicadeza do manuseamento dos ingredientes e a apresentação dos mesmos é impressionante e daí valorizarmos tanto. Também “comemos com os olhos”. As fotos não enganam.  Experimentamos um risotto de quinoa com vieiras e caldo de peixe. Experimentamos, porque ainda era um prato em teste para juntar à carta. Foi testado e aprovado e são estas fusões incríveis que nos fazem sair de casa. Quanto ao sushi, experimentamos juntamente com sashimi e pedimos tradicional e de fusão. Para quem gosta, como nós, está perante um dos melhores do Porto. Para quem quer experimentar pratos diferentes de quem percebe como fazer e apresentar, possivelmente aqui tem uma casa diferente. Sem dúvida, para nós vai ser local de fugitivos sempre que bater saudades da Ásia.